CRBio-08 participa de evento para profissionais de controladoras de pragas. Biólogos são maioria no setor.

6 de dezembro de 2017 | Comunicação CRBIO08


O presidente do Conselho Regional de Biologia 8ª Região, Biólogo Doutor César Carqueija (CRBio 27.013/08-D), foi um dos convidados presentes na Reunião de Pesquisa em Vetores e Pragas – Daspe, promovida em Salvador em uma ação conjunta da Associação Baiana de Controladores de Praga – ABCPrag, PHCFoco e Amorim Consultoria. O evento reuniu empresários e profissionais do setor, bem como equipes das Vigilâncias Sanitárias e dos Conselhos Profissionais, com a finalidade de aproximar os executores das atividades de controle de pragas com os responsáveis por fiscalizá-la.

Segundo um dos realizadores do Daspe em Salvador, o Biólogo Luiz Américo (CRBio 27.928/08-D), presidente da ABCPrag, o objetivo principal é juntar profissionais com os órgãos reguladores do mercado, que são os Conselhos Profissionais e as Vigilâncias Sanitárias municipais, para que sejam discutidos caminhos em comum para atuação no mercado, o que permitiria uma harmonização regulatória. A fiscal da Vigilância Sanitária de Lauro de Freitas, Ibllize Figueiredo levantou uma outra oportunidade trazida pelo encontro, “ele permite uma aproximação entre Conselhos e a Vigilância Sanitária para pensarmos em ações conjuntas de fiscalização”, comentou.

Para o Biólogo Jailton Souza Sobrinho (CRBio 46.690/08-D), a reunião permite uniformizar o mercado de Controladoras de Pragas e capacitá-lo nos aspectos técnicos e legais, o que o tornaria mais justo e capacitado tecnicamente.

daspe salvador 4

O evento – Ao longo do dia, foram realizadas palestras e promovidos debates sobre dois grandes termas. Pela manhã, Paulo Henrique Costa tratou da Pesquisa Censo 2017, aplicada pela PHCFoco para levantar dados sobre o crescimento do mercado, e que trouxe como tema a “Harmonização Regulatória”, um debate para a profissionalização da atividade. A grande pergunta a ser discutida era: “como as empresas controladoras de vetores e pragas podem contribuir com os programas públicos de vigilância sanitária, ambiental e epidemiológica; com a saúde do trabalhador; com a educação em saúde e meio ambiente; e com a promoção da harmonização regulatória?”.

Pela tarde, a Bióloga Ana Mary Amorim (77.065/05-D) da Amorim Consultoria, tratou do segundo tema: o Controle Integrado de Pragas, responsabilidade compartilhada entre prestadora de serviço, cliente e órgão fiscalizador. Segundo Amorim, quando o profissional de controle de pragas entende as necessidades e a dinâmica da fiscalização, ele mesmo se torna um fiscal. Para isso, é necessário que o profissional conheça as legislações que regulamentam sua atividade e que ele atue constantemente no monitoramento das operações e da estrutura de seus clientes.

Participaram do debate o presidente do CRBio-08 e o representante do Conselho Regional de Química, equipes das Vigilâncias Sanitárias de Salvador, Lauro de Freitas, Feira de Santana e Simões Filho, bem como profissionais que atuam no setor.

O mercado – Ao tratar do mercado de trabalho em Controle de Pragas, a Bióloga Caroline Santana (105.261/08-D), profissional do setor que esteve presente no Daspe Salvador, e o presidente da ABCPrag Luiz Américo veem como problema principal o desconhecimento pela sociedade e pelos próprios profissionais Biólogos. “[Esse evento] é muito importante porque é um mercado um pouco desconhecido para algumas pessoas. Muita gente não conhece a importância da Controladora de Pragas e o que é realmente o trabalho”, comentou Caroline Santana.

Luiz Américo trouxe um dado importante para Biólogos. Segundo ele, a pesquisa sobre o mercado de controle de pragas apresentada durante o evento indica que 36% das empresas têm Biólogos como responsáveis técnicos. “Há 20 anos, esse quantitativo ficava em torno de 5%. O mercado de Controle de Pragas é, atualmente, sedente e necessitado de Biólogos, há uma necessidade crescente da atuação do Biólogo dentro desse segmento”, completou.

Para iniciar na área, Américo sugere que o estudante busque estágio em controladoras de pragas, pois, assim, ele conhecerá mais sobre o mercado e sobre o serviço. A partir daí, o profissional poderá ter uma evolução natural até se tornar um Responsável Técnico. Outra possibilidade é a busca por cursos de formação e aprimoramento na área.

Apoio do Sistema CFBio/CRBios – Essa não é a primeira vez que o Sistema CFBio/CRBios apoia o desenvolvimento do setor de controle de pragas entre os Biólogos. Em 2016, o CRBio-08, o CFBio e as outras regionais apoiaram a 11ª EXPOPRAG, maior evento de controle de pragas da América Latina e segundo maior do mundo, realizado pela APRAG – Associação dos Controladores de Vetores e Pragas Urbanas. Dentro da programação do EXPOPRAG, o Sistema CFBio/CRBios promoveu o 1º Workshop de Biólogos no Controle de Vetores e Pragas Sinantrópicas.

Em dezembro de 2015, foi editada a Resolução CFBio nº 384, que regulamenta a atuação do Biólogo no Controle de Vetores e Pragas Sinantrópicas. A Resolução estabelece que o Biólogo é o profissional legal e tecnicamente habilitado para atuar no controle de vetores e pragas sinantrópicas, na limpeza e desinfecção de reservatórios e na capacitação e treinamento de pessoal.


Mais Notícias